Rio de Janeiro

Jairinho completa um ano na cadeia após ter prisão mantida pela Justiça – Notícias


A prisão de Jairo Souza Santos Júnior, o Jairinho, completou um ano nesta sexta-feira (8), dois dias após a Justiça decidir-se pela manutenção do cárcere do ex-vereador, na última terça (5). Ele é acusado de homicídio qualificado do enteado Henry Borel, de 4 anos, morto no dia 8 de março do ano passado.


Na terça, a juíza Elizabeth Machado Louro, do 2º Tribunal do Júri da Capital, manteve a prisão preventiva de Jairinho, considerando que os argumentos utilizados pela defesa do ex-vereador para a revogação da prisão já foram analisados em outros momentos do processo, inclusive por instâncias superiores.


Na mesma determinação, a magistrada substituiu a prisão preventiva de Monique Medeiros, mãe de Henry e ré no mesmo processo de Jairinho, por domiciliar com monitoramento eletrônico. O Ministério Público entrou com recurso nesta sexta contra a decisão.


A defesa de Jairinho declarou, em nota, que a medida a favor de Monique representou uma “vitória”, já que os advogados sustentam que ambos são inocentes, e que a decisão deveria se estender ao ex-vereador.


Relembre o caso


Jairinho e Monique foram presos um mês após a morte de Henry, no dia 8 de abril de 2021, suspeitos de atrapalhar as investigações do caso.


Em maio, o então parlamentar e a professora se tornaram réus da morte do menino. No mês seguinte, ele foi cassado e se tornou o primeiro vereador do Rio a perder o cargo. 


Em audiência realizada pela Justiça do Rio no dia 9 de fevereiro, Jairinho falou rapidamente e afirmou nunca ter encostado em “um fio de cabelo” de Henry. A defesa adiou o interrogatório, alegando precisar de mais provas, como as imagens de câmeras do hospital onde o menino morreu, além de exames.


Os advogados solicitaram, também, a troca da juíza do caso, o que foi negado por desembargadores. Ainda não há data prevista para a próxima audiência.


Outras denúncias


No curso das investigações da morte de Henry, Jairinho foi acusado de ter torturado outras duas crianças, filhos de ex-namoradas.


O ex-vereador se tornou réu da agressão de um menino de 3 anos, após denúncias de que ele teria sufocado e pisoteado a criança.  


Jairinho responde, também, pela tortura da filha de outra ex-namorada, que teria ocorrido entre 2011 e 2012, quando a menina tinha 4 anos. 


Em novembro do ano passado, ele se tornou réu mais uma vez, por violência sexual contra uma ex-namorada.


O ex-parlamentar nega as acusações.


*Estagiário do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo