Automobilismo

Pilotos se posicionam cada vez mais sobre questões do mundo real

Pierre Gasly

Pierre Gasly assinou seu nome em uma carta falando contra Marie Le Pen, enquanto ela concorre à presidência na França.

Os pilotos de Fórmula 1 tornaram-se cada vez mais abertos e francos sobre questões do mundo real nos últimos anos, com Sir Lewis Hamilton apoiando com palavras, ações, presença e dinheiro várias causas a favor de minorias.

Sebastian Vettel e Max Verstappen denunciaram a Rússia, depois que as forças militares daquele país começaram uma invasão contra a vizinha Ucrânia, e o contrato da F1 com o GP da Rússia foi cancelado pouco depois.

Os pilotos passaram cinco horas em uma reunião na noite de sexta-feira em Jeddah este ano discutindo se iriam correr devido aos ataques com mísseis que ocorreram naquela tarde, com Hamilton, Russell, Bottas e Gasly entre os maiores defensores da paralização do fim de semana da F1 na Arábia Saudita.

Isso atraiu elogios do presidente da Associação de Pilotos de Grandes Prêmios [GPDA], Alex Wurz.

“A transformação dos jovens que assumem essa responsabilidade é impressionante”, disse o ex-piloto da Benetton e Williams.

A FranceInfo, uma agência de notícias parisiense, publicou uma carta intitulada “bloqueie a extrema direita” e incluía a assinatura de Gasly junto com outros 51 atletas famosos franceses, entre eles o jogador de rúgbi Antoine Dupont e o tenista Jo-Wilfried Tsonga.

“O esporte em que acreditamos, com os valores Olímpicos, é feito de amizade e respeito – é um lugar de diversidade”, diz.

“Rejeitamos qualquer discriminação. É por acreditarmos no esporte fraterno e inclusivo, que nos comprometemos a evitar que nossa nação coloque à frente um presidente que encarna o oposto”.

A carta afirma que Le Pen defende pontos como “estigmatização do outro, retraimento em si mesmo e nacionalismo”.

“Portanto, pedimos uma votação para Emmanuel Macron em 24 de abril”, acrescentaram.

Emmanuel Macron é visto como um social-liberal de centro.

O deputado Owen Jones considera perturbador que haja pouca atenção sendo dada a um potencial governo de “extrema direita” eleito na Europa Ocidental pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial.

“Há todas as chances de Macron vencer novamente, mas o fato de que a extrema-direita tem uma chance de vencer a eleição nacional em uma nação da Europa Ocidental pela primeira vez no período pós-guerra, não causou muita auto-reflexão entre os expoentes do centristas neoliberais”, ele twittou.

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.



Fonte: R7.com

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

banner
Botão Voltar ao topo